Vida

A crise da volta e a maldita dúvida

19 July, 2015

Que a Australia é um país maravilhoso ninguém pode negar, meu tempo aqui foi passando e percebi que não fiz muito do que deveria ter feito, atingi muitos objetivos que imaginava atingir quando cheguei, meu inglês tem um nível ótimo comparado com o que tinha antes, aprendi alguma coisa de espanhol, italiano, francês e até um pouco de chinês e koreano, consegui entender um pouco como é a vida morando sozinho, tendo que dividir apartamento, quarto, cozinha, sala, TV e tudo mais que não precisava dividir no Brasil, assim como a maioria das pessoas que estão aqui eu também morava com a minha mãe/pais e tinha algumas regalias que com toda certeza não encontraria por aqui.

Na última semana tive o prazer de receber minha mãe e sogra em casa, o que foi realmente um choque, ver minha Mãe arrumando minhas roupas, limpando a casa e fazendo comida era algo que eu realmente não estava mais acostumado a ver, claro que a Paula me ajuda muito nas tarefas diárias e tudo mais, mas ter aquele negócio de mãe foi ao mesmo tempo gostoso e assustador e me deixou pensativo com milhares de coisas que eu deveria fazer no futuro e acabei por ficar com mais medo do que esperança nessa maldita volta para o Brasil.

Minha história por aqui teve muitos altos e baixos, fiquei quase dois anos em Brisbane já e tudo que ganhei eu gastei, seja aluguel, comida, cigarros ou festando mesmo, nunca consegui guardar dinheiro e sempre fui assim, seja aqui ou no Brasil, mas depois deste tempo todo, acabei me pegando pensando “E agora?”, aprendi inglês, aprendi a me virar mas…e ai? É hora de voltar? E vou fazer o que no Brasil agora? Mostrar meu lindo curriculo de garçon, dishwasher e motorista? Humm…e onde vou morar? Depois de tanto tempo fora é quase impensável voltar a morar com a minha mãe, nos amamos mas não acho que estou mais na idade de morar sob o mesmo teto dela, não acho mais justo isso.

Então, e agora? Acredito que muitos que me lêem por aqui tem as mesmas dúvidas que eu depois de um tempo aqui, é maravilhoso estar aqui, estar vivendo tudo isso, mas infelizmente meu visto não me permite ficar aqui como residente, eu não estou casado com uma Australiana e meu diploma de Marketing da UNIP pouco me ajuda por aqui, então não vejo muitas saídas a não ser voltar e encarar a dura realidade Brasileira que vejo muitos falando para que eu fique fora de toda essa merda que acontece por lá. Voltar a encarar o trânsito de São Paulo, a poluição, a violência, os salários baixos….depois de tanto tempo aqui é horrível me imaginar trancado em um escritório das 9-5pm ganhando R$1.500 AO MÊS, chega a ser ridículo pensar em quão pouco valorizados somos no Brasil e como vou me sentir tendo que encarar tudo isso todos os dias.

Infelizmente meu tempo aqui parece estar acabando, não sei quanto tempo mais vou ficar, amo a Australia mas sinto que cada vez mais perco tempo em coisas que serão importantes para o meu futuro, e cada dia mais tem mais e mais gente tomando posições profissionais que poderiam ser minhas por lá.

É meus amigos, a crise mental é grande, ficar ou voltar? Ambas me soam assustadoras, e uma hora a decisão terá que ser tomada e ela será definitiva enquanto dure, as the Aussies says: I’ll let u guys know soon.

Obrigado por acompanhar o blog, estou há um tempo sem postar por motivos de tempo mesmo, vamos vero que sai essa semana!

Cheers Mates!

You Might Also Like

  • Simone Fontão

    Oi, Deotti, eu acompanho você desde quando eu estava no Brasil. Você chegou a cogitar a se qualificar para alguma profissão que está na Skill list? Eu, apesar dos meus 9 meses de Austrália, resolvi ficar. Já vivi o que tinha que viver no Brasil. Desisti da minha carreira de advogada. Vou estudar para ser social worker aqui. É uma profissão que está na lista. Acho que se vc tem um objetivo, algo em mente, vale a pena ficar. Na minha opinião, acho que esse não é um bom momento para voltar para o Brasil. A recessão está pegando por lá. Pensa bem. Um abraço!

  • Ana Cláudia Gusso

    Todo mundo q saiu do Brasil tem essa dúvida alguma vez na vida. O que eu sempre falo eh pra não voltar ae não estiver preparado mas, se vc acha que já não está progredindo mais na Australia, eh hora de mudar o plano. Fazer as coisas q vc quer q aconteça. E se preceber que nao rola aqui, volta e faça acontecer lá. O que importa eh ser feliz. :)

  • William Camargo

    Fala Deoti ! Te acompanho desde que partiu pra Austrália, pois esse também é meu objetivo que até agora por motivos maiores, não consegui partir, mas irei em breve.
    Vou dar minha opinião sobre o Deoti que faz vídeos e não o da vida real, pois não o conheço.
    Você é um cara diferenciado, pois fica evidente nos vídeos que é muito comunicativo, inteligente e sempre procurar sorrir, seja de algo que deu certo ou errado.
    Sei que a família, principalmente a mãe, nos faz pensar muito sobre o que fazer nessa decisão, porém temos que lembrar que ela nos criou pra ser feliz, e fazer a nossa futura família feliz. Pensando nisso, acredito que se você acha que sua vida está na Austrália, faça uma consulta com um agente de imigração e verifique o que pode fazer pra conseguir ficar.
    Como você deve saber, nosso país está em ruínas e cada dia que passa são mais e mais casos de corrupção, falta de escola, mortes em hospitais, violência, trânsito e por aí vai…
    Até onde vale a pena construir uma nova família nesse lugar ?
    Um grande abraço e boa sorte.
    See ya

  • Liv Gitahy

    Morei em Melbourne de 2007 a 2010, não me adaptei de volta em SP mesmo… Acabei abrindo meu blog e o amor pelo q eu escrevi me levou a cursar Nutrição que vou terminar em Julho do ano q vem e de verdade considero todos os dias voltar p Melbourne ou mudar para outro País pq como diz o ditado “Os incomodados q se retirem” e infelizmente mesmo as coisas por aqui estão em um ponto q estou realmente incomodada. Lembro de andar de tram com notebook no colo, de voltar do trabalho 2am caminhando, de ter ficado 3 anos sem carro sem passar aperto, de ter precisado de atendimento de emergência e ter sido bem atendida, de ter sido ajudada por estranhos, de ter ajudado estranhos e esses estranhos terem sido gentis tmb, de por o pé na rua pra atravessar e os carros pararem… Em 3 anos eu de verdade não consigo te dizer 1 coisa negativa sobre minha vida em Melbourne. Lembro de agradecer Deus enquanto caminhava na rua por estar ali, respirando aquele ar, de me sentir segura. Acima de tudo, dinheiro nenhum no mundo compra segurança, segurança essa q no Brasil não existe. Tenho receio de sair de carro, de me roubarem, de me abordarem, não saio em vários horários, não carrego pertences, nem note eu tiro de casa… É deprimente ter q sair do lugar onde gostaríamos de estar por conta de familiares principalmente, mas q eu infelizmente não vejo outra saida a não ser me puxar muito para conseguir me manter fora daqui… Eu sei bem oq é essa dúvida, considero outros Países tmb, mas sei q aqui a gente pode remar, remar, remar e dificilmente sendo honesto e pagando todos impostos teremos um padrão de vida bom como aí… Vejo meus pais com 60 anos trabalhando pelo sonho da casa própria, pq mesmo trabalhando vida inteirinha não conseguiram comprar ainda o canto deles. Moramos juntos, pq claro q tive q voltar a morar com eles, afinal de contas aqui pessoas de 20, 30 poucos anos dificilmente já conseguem se manter sozinho e o mais legal é q eles me apoiam mto a ir embora… eles dizem q não tem mais grandes sonhos e expectativas, oq me deixa mto triste pq eu queria poder fazer por eles tudo q eles fizeram por mim, mas de novo, com a desvalorização dos empregos aqui, poucas vezes vemos isso acontecer, parece o “Salve-se quem puder”! Se eu sou vcs ia tentar renovar como estudante, ou tentava ir p NZ pra voltar prai, ou tentem ver com escritório BRAVO http://www.bravomigration.com.au q faz vistos dos mais variados quais as possibilidades de vcs. Eles q fizeram processo de visto de residencia de vários amigos q hj estar residentes, seja por sponsor, por cidadania, por pontos, enfim, eles sao super dentro da lei (q muda mto) e poderiam dar um norte e pelo menos vcs saberiam se tem chances reais de se manter ai!!! CHeguei a fazer uma entrevista via skype e eles me deram algumas opcoes bem interessantes na epoca, eu falava com a Dani, mas de verdade, ainda me refiro a Melbourne como “Home” eu sai de Melbourne, mas Melbourne não saiu de mim e tenho mta saudade. Espero q consigam ficar de verdade!!!

  • Carlos Olivera

    Fala cara, tranquilo? Acompanho o blog e o canal, antes de tudo parabéns!
    vc pensando em voltar e eu indo pra Sydney daqui 2 semanas.
    Ótimo post, grandes palavras. Se posso te falar algo: Não volte para o Brasil agora! As coisas estão bem complicadas nesse momento. Acredito que mais um ano por ai não vai te fazer mal.
    sucesso e sabedoria na decisão.
    abraços

  • Christian Oliveira

    Só quero que você volte porque tenho saudades.. mas num volta não! é mais saudável eu ir praí !
    Fotinho ilustrativa hahaha

    • Thiago Deoti

      Venha por favor, a saudade me mata todos os dias seu lindo!

  • http://www.3rtur.com.br/ Thiago Tôca Santos

    Fala, Deoti! Beleza, Man? Esse é um assunto que sempre que vejo alguém passando por isso, me lembro de minha própria experiência. Falamos um tempo atrás sobre namoro à distância e trocamos uma ideia sobre isso. Quanto ao voltar ou não, acredito que a gente caia muito no discurso de que “não nos vemos preparados para o Brasil”. Entendo o que a galera quer dizer com isso, mas muito disso é idealizado. Quando fomos para lá não sabíamos o que nos esperava e nos demos bem ou quase isso. A chance de nos darmos bem aqui (profissionalmente) é bem maior. O nosso currículo com nossa graduação vale MUITO mais aqui que lá fora. E é tudo questão de fazer por onde, chegar aqui, dar oi a uma realidade que já conhecemos, dar o tempo para aceitarmos essa nova-velha condição (que no meu caso durou 1 ano), mas que mesmo durante esse tempo eu já fui fazendo por onde e mexendo os pauzinhos pra ser feliz aqui também. Olhar para trás, com sensação de dever cumprido e pronto para a próxima aventura é o melhor que pode acontecer. Desejo sucesso e boa sorte independente de qual seja o seu próximo passo. Abração, Tôca.